Fevereiro

Cientifica-te! | Publicação de Fevereiro


Sabemos que o Ensino Clínico é um grande marco na vida de um Estudante de Enfermagem. Assim, torna-se importante questionar: como é que os Estudantes gerem todo o processo emocional e fisicamente exigente que representa o primeiro ensino clínico? Será que as competências por eles desenvolvidas se apresentam imutáveis independentemente da sua progressão? Podemos afirmar que o Ensino Clínico de Saúde Mental e Psiquiatria tem particularidades que potenciam a evolução dos Estudantes?

Para pensar sobre estas questões, a FNAEE traz-vos este mês um artigo intitulado “Formação e desenvolvimento de competências de estudantes de enfermagem em contexto de ensino clínico em saúde mental e psiquiatria”, publicado na Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental. Clica aqui para saberes mais: LINK

E não te esqueças: o Fórum Nacional de Estudantes de Enfermagem (FNEE), que decorre nos dias 17 e 18 de março, em Santarém, incide na temática da Saúde Mental! Não faltes! Inscreve-te já em : LINK

“A formação em contexto da prática é uma componente fundamental na integração de saberes e desenvolvimento de competências dos estudantes de enfermagem, constituindo um eixo estruturante da sua socialização e construção da identidade profissional. Considerando a complexidade que envolve a formação em contexto de saúde mental e psiquiatria, a supervisão dos estudantes assume uma relevância decisiva, na medida em que lhes proporciona os instrumentos necessários para a otimização da aprendizagem e desenvolvimento de competências.

Objetivo: conhecer as perspetivas dos estudantes sobre o ensino clínico em contexto de saúde mental e psiquiatria e as competências desenvolvidas no decurso do mesmo.

Metodologia: estudo exploratório, de natureza quantitativa. Colheita de dados efetuada de 13 de fevereiro a 30 abril 2013. Todos os procedimentos éticos foram respeitados. Realizada a caraterização sociodemográfica do estudante e a avaliação das competências que se desenvolvem com maior predominância através da escala Adaptive Competency Profile – ACP, validada para Portugal.

Resultados: amostra constituída por 48 estudantes, sendo 42 (87,5%) do sexo feminino, com M=22,9 anos (DP=3,9). Como motivação para a escolha do curso, 42,6% referem a questão vocacional, 34,4% o interesse na área da saúde e 23% o fato de terem contactado com a enfermagem enquanto recetores de cuidados.

Conclusões: os estudantes salientam o ensino clínico como uma mais-valia possibilitando-lhes confronto com a realidade da profissão, proporcionando-lhes experiências de trabalho e preparação para o futuro. As competências mais desenvolvidas em contexto de psiquiatria são as de relação, ligadas à experiência concreta e à observação reflexiva.”

Formação e desenvolvimento de competências de estudantes de enfermagem em contexto de ensino clínico em saúde mental e psiquiatria

Martinho, J.; Pires, R.; Carvalho, J. C. & Pimenta, G.

Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental ®